segunda-feira, 23 de março de 2009

Palavrões

Antes mesmo que comecem a ler o texto do Fernando Alvim, e que leiam o seu aviso sobre a linguagem utilizada, começo eu por pedir desculpa e avisar os mais sensiveis sobre a linguagem utilizada! Mas escrever um texto sobre palavrões sem os usar, não fazia muito sentido, aqui fica entao o "Texto só para intelectuais".

"Aviso: O texto que segue contém imensos palavrões e peço já desculpa por isso. Quero que entendam que não havia outra forma de explicar o que pretendia, não os usando. Os palavrões, sobretudo no domínio da escrita, nunca devem ser usados de forma gratuita e espero sinceramente, que os que seguem não sejam entendidos desse modo. Feito o aviso, mantenham a míudagem distante, certifiquem-se que ninguém está a ver e mantenham isto em segredo. Para todos os efeitos, encontraram na net ou coisa assim. De resto, este texto foi originalmente concebido para ser publicado no Jornal Metro onde escrevo semanalmente, mas compreensívelmente, não chegou a ser publicado. Eis o texto, em exclusivo, para os leitores deste blog:

Texto só para Intelectuais
Gosto de usar um bom palavrão de vez em quando, e acreditem que não é só na intimidade. Mas um palavrão mais do que uma qualquer palavrinha, não pode ser usado de forma displicente. Por isso é que é um palavrão caramba. Uma palavrinha é uma menina, um palavrão é um homenzarrão com barba rija. E um bom palavrão tem que ser dito com a boca toda, cuspindo ira e raiva, zurzindo revolta, revirando os olhos como nos filmes do Freddy Krugger e fazendo lembrar as manifestações da UGT UNIDADE SINDICAL, quando gritavam "40 horas já!" ainda com Torres Couto, ostentando um fartíssimo bigode.
Daí que um palavrão não possa ser usado de animo leve. E foi exactamente o que se viu, no início dos anos 90, quando os trailers dos filmes portugueses os ostentavam de forma luxuriante. Ficou famoso o trailer de Adão e Eva, onde Maria de medeiros dizia: Vai à merda! e o outro Joaquim dizia: Vai tu. E em casa, em frente ao computador, eu comentava: De facto, deviam ir os dois.
Contudo, o meu palavrão preferido é foda-se. No domínio da moda, diria que o foda-se é o Armani dos palavrões. Mas o mais curioso, é que usado de forma isolada, o foda-se não tem a impetuosidade que lhe é pedida. O foda-se, precisa sempre de um auxiliar, da mesma forma que o Jardel precisava do João Pinto para os centros, a Teresa Guilherme do Manuel Luis Goucha, os Gémeos Castro da maratona das amendoeiras. O foda-se precisa – e peço já desculpa pelo vernáculo – o foda-se precisa de um sonoríssimo caralho. Um foda-se caralho é superior a 200 foda-se. Eu quando estou muito chateado digo foda-se caralho, e quando só amuo e abano as orelhitas em sinal de resignação digo simplesmente, foda-se. Na verdade, digo foda-se e lá vou indo.
No domínio dos palavrões, não há ninguém melhor que o pessoal da bola para servir de exemplo, e a esse nível constato com grande inquietude que o palavrão preferido dos jogadores de futebol é: "puta". A bola vai ao poste e "puta!". Bola fora e "puta!". E até já vi – aqui vos juro – o Liedson a falhar um lance de cabeça, olhar para o céu e quando todos pensavam que fosse pedir ajuda a Deus, apenas disse " puta!".
Nisso os jogadores são diferentes dos treinadores. Os treinadores não são adeptos do palavrão "puta" mas tão só do já referido "Foda-se caralho". Treinador que seja um treinador a sério, tem que se levantar do banco logo a seguir a um lance falhado da sua equipa, e dizer um mais do que justíssimo: Foda-se caralho. Nomes como Jorge Jesus, José Mota, Toni e até Jesualdo Ferreira são dos melhores embaixadores do "foda-se caralho!". Autênticos foda-carelhenses de excepção. Não existissem estes valorosos homens e esta expressão não seria hoje esta estupenda referência nacional. Muito bonita, de resto."
in Espero bem que não

1 comentário:

Zeipaulo disse...

Sublime...um "foda-se carralho" para este homem...nao de forma perjurativa mas sim de admiração pela sua capacidade intelectual de descurtinar e opinar sobre um tema tao banal e vulgar utilizado por todos nos no nosso dia a dia, mas que mesmo assim continua a ser assumido com alguma censura!!o motivo para as criancinhas comerem pimenta logo desde piquenas....

assim mesmo...de uma forma simples e despreocupada se fala sobre aquilo que nos rodeia...