quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Perspectiva

"O Mundo ao contrario

O dia de ontem no Sporting, a juntar ao que tem acontecido no Benfica, e também no Guimarães mostra possivelmente um factor interessante de pensar sobre ele: O que mudou... não devia ter mudado.

O Sporting não está mais forte, está sim mais endividado
O Benfica não está mais sólido, está sim mais desnorteado
O Guimarães não está mais ambicioso, está sim mais fragilizado

Ora, parece que Jorge Jesus, Marco Silva e Rui Vitória estavam no lugar que deveriam estar... ainda hoje. Com eles nas posições anteriores, possivelmente... ...
O Sporting estaria menos endividado e talvez até tivesse entrado na Champions pois a pressão seria menor e o Marco nos momentos decisivos, ao contrário do Jesus, não falha. ...
O Benfica estaria menos desnorteado e talvez até tivesse sido possível ajustar o critério da forma como Jesus vê a aposta em jogadores de efectiva qualidade na formação. ...
O Guimarães estaria a continuar a sua aproximação ao SCBraga, com Rui Vitória a posicionar-se para crescer com o clube ou "saltar" num futuro próximo para um clube de ambições intermédias como SCBraga.
É interessante olhar para esta perspectiva, pois curiosamente por esta altura os três clubes têm uma franja muito grande de adeptos que já começam a ter saudades dos treinadores anteriores e até das formas de trabalhar anteriores.
...
  Na verdade, parece que os três clubes viram oportunidade de mudar coisas que, aparentemente, parecem ter mudado para pior nos três casos, sendo que na minha opinião apenas o SLBenfica mudou para pior por culpa própria e devido à sede de poder..."

In Geração Benfica

=)

"Trinta e seis

E então acordei e já não acreditava. É estranho: passas a vida a alimentar uma miragem e ela, que teima em não ganhar formas concretas, em não se concretizar, vai-se esvaziando como um balão sonolento, devagarinho, até que fica irremediavelmente murcha.
Olho para o espelho e já não sou novo. O puto que andava a correr atrás da bola no largo do pelourinho, à frente da velha cadeia, é uma espécie de primo longínquo, muito mais novo que eu, de quem guardo boas recordações. Que terá ele feito da vida, pergunto-me às vezes. Um bocadinho mais crescido, ia jogar para o campo do Mafra. Na altura os portões não se fechavam, aquilo era pouco mais que um clube de aldeia - duas dezenas de adeptos, um barracão a fazer de bar onde se vendiam as bifanas, os amendoins e a coca-cola (mais tarde vim a saber que também vendiam cerveja), uns balneários quase decentes, cabines de suplentes muito dignas, em pedra, porém pequeninas, uns eucaliptos enormes por trás da baliza poente e era nessa baliza, eternamente à sombra, que eu marcava penaltys com uma bola do Benfica (às vezes ia sozinho).
Depois joguei mesmo no Mafra, com equipamento e tudo. E botas de futebol que a minha mãe engraxava com brio e com esperança. Tínhamos sonhos. Porque eu depois ia jogar no Benfica.
O plano era muito simples. Consistia em ir jogando à bola até que chegasse o dia em que o Benfica se apercebia do meu talento e então o Benfica mandava uma equipa de pessoas que chegavam, mandavam parar tudo e diziam ao meu pai "senhor Urbano, vamos levar o seu filho. Precisamos muito dele. Obrigado por tudo". A minha mãe fazia-me um lanchinho à pressa e passava-me a mochila com uma ou duas mudas de roupa e o chefe da equipa de pessoas dizia "não se preocupe com equipamento que temos lá tudo". E lá ia eu. A minha missão era livrar o mundo do poderoso Milão repondo a ordem natural das coisas com o Benfica no topo, acima de todos.
E eu fui tentando cumprir o plano, cada vez com mais esforço mas sempre carregadinho de esperança, uma esperança inabalável, como se tudo no universo, no tempo e na minha existência tivesse um destino óbvio: vestir aquela camisola 7, fazer a ala toda, encher o campo com cruzamentos milimétricos, passes de morte rasteirinhos e diagonais diabólicas.
A dada altura, apercebendo-me de que o Benfica demorava a aperceber-se de mim, tendo eu contas para pagar e um futuro urgente por resolver, decidi fazer uma pausa. Não era abandonar o futebol. Era apenas descansar. Apanhar ar, refrescar, ganhar balanço para um dia mais tarde reiniciar tudo, reentrar em campo - sempre com o pé direito (nunca me benzi, sempre achei ofensivo andar a chamar deus para um assunto de homens; nunca quis intromissões nem batotas, sempre fiz jogo limpo; nunca levei um amarelo na vida) -, levantar finalmente o Estádio com um golo de bandeira, um pontapé de fora da área capaz de fazer o Rui Costa comover-se. Eventualmente, ser campeão europeu como José Águas. A toda a hora ser digno de tudo o que se herda quando se enverga a mais bela das camisolas.
Mas hoje acordei e o Benfica ainda não tinha mandado uma equipa de especialistas em grandes jogadores do futuro e nos jornais ainda não tinha vindo escrito sobre mim que era "o prodígio escondido" ou "o génio esquecido" ou "um talento por revelar", pelo que perdi definitivamente a esperança. E eu estou velho. Hoje acordei e estava mais velho que Pablo Aimar.
Nunca vou jogar no Benfica"

In 227218

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Assustador



O treinador do Benfica fala de cruzamentos, e de gente dentro da área para os finalizar. E assim se explica muito do que tem acontecido no SLB esta época. O pobre modelo do treinador está explicito nestas palavras.
Vendo o que se viu até agora, e ouvindo o treinador falar, fico com a ideia que regredimos 10 anos no futebol do Benfica.
A equipa merecia ter melhores interpretes? Merecia! O problema é apenas esse? Não! Houve realmente dezenas de cruzamentos e dezenas de remates por parte do Benfica! Isso demonstra qualidade? NÃO!
Deixo aqui um link para explicar aquilo que estou a dizer. Este artigo do Posse de Bola.

"Um Rei fraco, faz de fraca a forte gente!"

domingo, 23 de agosto de 2015

Lamentável!

 Como diz no Lateral Esquerdo:

"O Arouca criou mais ocasiões de golo que o Benfica.
O Arouca entrou mais vezes dentro da área com a bola controlada que o Benfica.
O Arouca esteve 1x1 por duas vezes com Luisão, só.
O Luisão meteu em vários lances jogadores do Arouca em jogo.
Júlio César tem estado sempre em evidência.
O único lance que o Benfica criou, não foi criado. Foi uma oferta que foi parar aos pés de Pizzi.
Mais uma vez não se trata do resultado. Nunca é um jogo só. É do que o precede. Fazer 30 remates na sua maioria de fora da área, não é criar situações de golo. É só rematar."

As vezes penso que a minha televisão é diferente das outras, e que vejo jogos diferentes. Mas afinal ha quem veja o mesmo que eu.
Com Jorge Jesus, o colectivo faz explodir a qualidade individual de cada jogador, e oculta as dificuldades de cada um. O contrario, faz até as individualidades desaparecer.
O processo ofensivo baseia-se apenas na qualidade individual de Gaitan e Jonas, e o processo defensivo é uma vergonha. Expondo todas as limitações dos defesas encarnados por falta de coberturas a meio campo. O controlo de profundidade simplesmente não existe.
Acabámos o jogo com três avançados, Carcela a defesa esquerdo, e um meio campo com Pizzi, Gaitan e Vitor Andrade. Evidencia óbvia, que o treinador não confia no modelo que utiliza, e não tem ideias. Apenas "atirou" jogadores em desespero para dentro de campo.
Vai ser muito rápido até que os críticos de JJ queiram a demissão de Vitoria.

Eu disse no final do o jogo contra o Estoril, que com JJ ganhariamos 9 em 10 (senão 10 em 10) jogos contra equipas daquele calibre. E que com Vitoria, ganharíamos 6 em 10.
Faltam 8 jogos, e está 1 em 2. Veremos como acaba.

Um clube grande tem de ser treinado por um treinador de clube grande! Vitoria não está a mostrar se-lo.

Lamentável!

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Nem tudo o que brilha é ouro...

... mas em Portugal os adeptos parecem nem querer saber. Geralmente não ligo nem gosto muito de falar de finanças dos clubes. Eu gosto mesmo é da bola a rolar. E não me interessam valores, compras, passivos e activos.
O que quero com este post, nem é tanto falar de futebol, mas a maneira como as pessoas cada vez menos gastam tempo em pensar. E em como engolem tudo o que a Comunicação Social e Redes Sociais lhes dá para comer, sem sequer parar para pensar.
Nos últimos anos os opinion makers que circulam por ai, esforçam-se para vender o que lhes convem no mundo do futebol. Que o Porto é um grande vendedor, que o sporting é um grande formador, e este ano o esforço é que o Benfica é uma grande confusão e provavelmente desce de divisão este ano ou mesmo quem sabe, encerra as suas portas! Li no "visão de Mercado" um comentário que decidi partilhar aqui. E que mostra como as coisas nem sempre são o que parecem. Neste caso "porto ja fez um encaixe de 100 milhões de €". E toda a gente pápa. Mas quanto desse dinheiro é realmente encaixe para o porto? Neste caso trata-se do porto, mas esta ginástica financeira apadrinhada pela comunicação social, que garante o acalmar das hostes, passa-se em todos os clubes.
Aqui fica o texto:

"A estrategia do FCP é extremamente arriscada e eu já falo nela há anos! Com a estratégia errada há anos da qual não conseguem sair, é mesmo necessidade. Em 15 de Maio escrevi o seguinte: “Eu tinha dito que o Porto precisava de fazer vendas de 100M (houve muita gente que me criticou) e que iria perder 5 ou 6 dos jogadores da espinha dorsal da equipa (Jackson, Danilo, Alex, Oliver, Casemiro, Campana e mais um ou dois). Mantenho o que disse.” Tinha razão, perdeu ainda Quaresma, Fabiano, Quintero, Reyes, tudo jogadores que jogaram na 1ª equipa. A venda do Alex Sandro, um dos 3 jogadores (os outros eram Danilo e Jackson) com mercado de que ainda detinham 100% do passe, não tem nada a ver com o facto do contrato acabar no próximo ano. Tem a ver com as dificuldades crónicas de liquidez/tesouraria que se têm agravado de ano para ano, que eu já aqui provei com números. A contratação de Chissoko não foi uma surpresa para mim já que foi feita para se precaverem de uma maneira barata da substituição o Alex Sandro.
1) Há um ano aquando do 1º "all-in", afirmei que o investimento de 48M em jogadores foi feito a crédito. Notem bem que o mesmo se passa este ano. Mas as dívidas ao contrário do que muita gente diz são mesmo para pagar. “No último R&C, para além dos 11M em dívida ao AM (Adrián), dos 4,5M ao Pescara (Quintero), de 2,5M ao Coimbra (Herrera), de 3,7M ao Feyenoord (Indi), ao Estoril 1,8M (Evandro) e de 3M a "outros" etc., há uma alínea entre "outros passivos correntes" que diz 19M de "adiantamento de clientes" que não está especificada. Quem adiantou dinheiro? Clubes, empresários? Somando tudo dá cerca de 45M.”
 2) O ano passado trouxeram um prejuizo superior a 40M que acrescidos aos 25M negativos de Resultados Operacionais orçamentados mais os 15M de juros a pagar do passivo, já se vê para onde vai uma grande parte desse dinheiro.
3) Tanto Danilo como Jackson tinham os passes congelados a um empréstimo do Novo Banco de 25M que tem pagamento previsto para Setembro.
4) Ao contratarem jogadores emprestados que vêm de outros campeonatos com salários muito mais elevados, quando aumentam os custos de pessoal de um ano para o outro em 45%, não era difícil prever as dificuldades de tesouraria que iriam sentir este ano, que são maiores do que o ano passado.
5) Os mais de 100M de vendas que o Porto fez até agora, e que faz a felicidade de muitos adeptos, já têm destino. E não há qualquer razão para encómios nem orgulho já que são sintomas de uma doença mais grave que muitos adeptos já começam a reparar.
6) Embora ainda não haja um novo orçamento, já se fala que os custos de pessoal podem ultrapassar os do ano passado (71M), quando os resultados de exploração (RO) orçamentados eram de -25M. Prevê-se que este ano os RO já cheguem ou ultrapassem os -30M. Isto é, estão presos a um círculo vicioso que entraram há 4 ou 5 anos que dificilmente irão sair sem um violento downsizing, superior a 40%. Algo de que eu já falo há 3-4 anos.
A 8 de Julho escrevi isto: “O Porto não tem dinheiro para gastar. Vai comprando a crédito (Imbula, Danilo) e vai vendendo jogadores á medida que a época avança. Vendeu agora o Carlos Eduardo para as arábias, deve ter recebido contado e a seguir vai vender o Quaresma. A seguir irá outro jogador irão ver que até ao fim de Agosto irão vender mais 3 ou 4 jogadores cobrindo assim as necessidades de tesouraria“. “Fazem com os jogadores o que fazem com os empréstimos obrigacionistas, fazem o "roll-over", quando chega a altura de pagar, começam a pagar o antigo mas continuam a comprar novo a crédito e assim o passivo vai aumentando.”
Como afirmei, já venderam os que eu disse que iriam sair e penso que o Herrera poderá ainda estar de saída. Por mais areia que tentem atirar para os olhos, não era difícil adivinhar o que se passa pois os números não esticam nem mentem, a matemática é uma ciência exacta."

By Manuel, em Visão de Mercado (comentarios"

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Lideres

"O Campeão Voltou!" "Rui acalma a instabilidade!" "Entrou nos Eixos!"

Estes foram alguns dos títulos dos Desportivos de hoje.
Ao longo da pré-época e com todas as quentes novelas deste verão e do que se foi dizendo do Benfica nestes dias, parece uma anedota o que hoje se escreve pelos Jornais.
Nem tanto ao mar, nem tanto à terra!
O Benfica tem grandes problemas neste momento, mas nem era ontem a pior equipa do mundo, nem hoje resolveu todos os seus problemas tornando-se a melhor equipa do mundo.
Fui ver o jogo ao café, coisa que cada vez mais odeio fazer. E foi incrível ver cerca de 50 Benfiquistas, que até ao minuto 74 criticavam tudo o que a equipa fazia e todos os jogadores, e que depois do golo do Grego mudaram completamente a cassete para um típico "agora já ninguém nos pára".
O Campeão voltou realmente, mas voltou com grandes dificuldades. Este resultado não é justo (embora a vitoria o seja), e não espelha em nada o que aconteceu no relvado. Até ao minuto 74 foi um Benfica sem ideias, com grandes problemas de organização, quer defensiva quer ofensivamente. O flanco direito foi uma auto-estrada, e foi sempre por lá que o Estoril causou perigo. Ola John na direita é metade do jogador que é na esquerda.
Ao meu lado estava sentado um rapaz, que dizia que Nelson Semedo tinha mais perfil de Lateral do que de Defesa. Não lhe respondi. Seria chato estar a explicar que o Lateral é um defesa a quem gentilmente nos tinha oferecido mesa para sentar. Mas as suas palavras não deixam de ter algo de correcto. Semedo tem de melhorar toneladas em termos defensivos. Foram muitos os desequilíbrios que causou ao Benfica. Com bola vai indo. Empolga o adepto, parte para cima do defesa, não tem medo. Mas nem sempre é a melhor opção. Tem de entender melhor os tempos de jogo e como aproveitar o seu enorme potencial sem causar desequilíbrios. É miúdo, tem tempo! Vamos dar-lhe esse tempo! Foi considerado o melhor em campo pelo jornal A'Bola. Algo anda mal pela Travessa da Queimada.
Gosto de Fejsa, mesmo, mas não consigo entender a ausência de Samaris. E a sua ausência dá a sensação que Rui Vitoria anda a navegar à vista, sem saber exactamente o que quer para o clube. E principalmente sem ter modelo de jogo.
Se defensivamente o Benfica nunca teve o jogo controlado, Ofensivamente foi um deserto de ideias. O processo ofensivo simplesmente não existiu. E todo o ataque do Benfica até ao golo se limitou ao talento de Jonas e do extraordinário Nico Gaitan. Este sim, de longe, o melhor jogador em campo.
Grande dificuldade na manutenção da possa, na troca de bola, pouca gente a trabalhar para receber, perca de bola sem cobertura ofensiva. Muito pouco se vê do trabalho do treinador neste momento. Dá a sensação que o Benfica começou agora a pré-época.
Depois do golo a pressão desapareceu, os jogadores soltaram-se e a sua qualidade individual veio ao de cima. Mas os processos não apareceram.
Pode ser que mesmo a jogar assim, os resultados vão aparecendo fruto da qualidade individual de alguns jogadores.
Disse a quem via o jogo comigo, que o Benfica de Jesus, num dia normal, em jogos contra este Estoril na Luz, ganharia 9 em 10 jogos. O Benfica de Vitoria, jogando assim, ganharia no máximo 6 em 10. O que quero dizer, é que olho para o Benfica actual, e não vejo nem futebol nem treinador de equipa grande.
Tanto para melhorar...

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

O maior erro após a saída de Mourinho.

Mais uma vez não vi o jogo. Não vou falar da exibição, dos jogadores, das oportunidades ou do domínio. Domínio esse, que ao passar os olhos pelas redes sociais e pela blogosfera, uns dizem ter sido avassalador e outros dizem não ser bem assim. "Um jogo de solteiros contra casados" dizia alguém!
Pois eu não sei, não vi. E não vi porque esperava este desfecho, alias como 95% dos Benfiquistas. Preferi ir beber um cafezinho numa esplanada, e ir com as miúdas fazer uns térérés. Elas fazem-me sempre sorrir, e seria sempre uma noite mais bem passada, mesmo que tivéssemos esmagado a lagartagem! Não foi o caso.
Escrevo hoje, porque tal como diz o titulo, me parece claro que o Glorioso cometeu esta época aquele que terá sido o maior erro pós Mourinho. Não sei mesmo se a saída do melhor treinador Português da actualidade (sei que ninguém concorda com isto, mas se o Blog é meu, escrevo o que quero :) )  não é um erro maior do que a saída de Mourinho, tornando-se assim o maior erro da historia recente do Sport Lisboa e Benfica.
Jorge Jesus está tão à frente do que se faz por aqui, que esta situação nunca podia ter acontecido. Saiu por dinheiro, por amor ao clube das camisolas às riscas que parecem as barracas da Figueira da Foz, por não se sentir desejado como o próprio diz. Não sabemos, talvez tudo isto junto. Mas olhando para as possíveis razões há uma que me parece evidente, e é a única que posso criticar. É óbvio que o pastilhas já não era desejado na Luz. E ai é que está o erro. O Benfica devia sempre querer o melhor. E sendo o melhor Jorge Jesus, pertencendo ao clube, não devia ter-lhe sido dada a hipótese de assinar por outro clube. No final de 2013/2014, depois daquela brilhante época, deveria ter sido imediatamente renovado com contrato com o Madeixas. Parece-me que nessa altura teria sido uma renovação pacifica, e nada disto teria acontecido.
Assim não foi.
E o pior de tudo é que optamos por um treinador, que não colocando em causa o seu conhecimento sobre futebol e o seu trajecto até aqui, não tem claramente perfil para líder de um clube como o Benfica.
O Benfica começou a perder o jogo durante a semana. Enquanto JJ se atirou ao Benfica com todas as armas. Como um leão. A famosa estrutura preferiu o low profile. JJ é uma besta, um crapola, sem carácter. Vitoria não, é um Senhor, não responde! Pois é meus amigos. Mas isto é futebol. E o que conta é dentro do campo. E ai, besta ou não, eu prefiro mil vezes um treinador como JJ. Que me ganhe jogos, e os queira ganhar a todos!
"Não vai ser o resultado deste jogo que vai influenciar nada" dizia Vitoria. Estás enganado filho, Um jogo do Benfica é sempre importante. Tem de ser ganho! Mesmo que seja um amigavel em ping-pong ou no berlinde. Tem de ser ganho! Tem de ser encarado como uma final da Champions. O terceiro anel não te perdoa essa atitude.
Sobre o que leio do jogo, algumas duvidas se levantam: preparação toda em 4-4-2 e no primeiro jogo a doer o que acontece? Muda-se tudo! JJ não estava mesmo à espera desta! Quem é que imaginava um 4-2-3-1? Com Pizzi no banco e Ola John (que é um jogador apreciado aqui pelo chaparro) que na pré-época não mereceu a mínima confiança a aparecer a titular? Ninguem realmente esperava!
Todas as acções tem consequências!
Jorge Jesus não tem carácter? É egocêntrico? É uma má pessoa? Não quero saber, não tenciono casar com ele!
Queria vê-lo a dizer disparates, ser tudo isso que é, e a ganhar jogos no meu clube!
Por tudo isto, muitos parabéns a quem mudou de politica e se virou para a politica do querer ganhar! Porque no fim de contas, é de futebol que se trata, e no futebol só uma coisa devia interessar! Ganhar!
E com este post aqui deixo uma promessa! Se Rui Vitoria me mostrar que estou enganado, se a equipa começar a convencer e a ganhar jogos, virei aqui ao blog escrever um post admitindo ser uma real besta e elogiando tudo aquilo que ele fez bem!
Infelizmente não me parece que  vá acontecer. E se não acontecer, parece-me que LFV deu um tiro no pé, e que provavelmente esse tiro o feriu de morte. Veremos o que acontecerá nas próximas eleições fruto deste erro estratégico.
Esta derrota pode ter de positivo o facto de nos quererem atirar para os olhos alguma poeira, e que nessa poeira venham uns Coentrões, Chicharritos e Markovics. (que já ca deviam estar a trabalhar há uns dias, e não chegar em cima do começo da época).
Bem, melão descascado e comido! Que se foda a taça!

terça-feira, 4 de agosto de 2015

100% de acordo

"
Hoje, até das individualidades se duvida

O impensável parece estar próximo de acontecer. Ao contrário do que proferia Jesus, o Benfica parece mesmo inclinado a deitar seis anos de trabalho de nível mundial ao rio. Foram muitas épocas com o Lateral Esquerdo a garantir o como a excelência táctica do SL Benfica potenciava as individualidades para níveis de rendimento extraordinário. Dezenas de jogadores a jogar no topo do seu potencial. Era muito fácil ser-se um bom jogador no Benfica. Tudo podia ser feito de olhos fechados. As decisões com bola fáceis de tomar, com a proximidade dos colegas, com as linhas de passe, com o posicionamento definido ao limite. Sobretudo ao longo da época passada foi sendo referido o quão fabuloso era o trabalho de Jorge Jesus, que com um onze cuja qualidade individual não era assim tão elevada como muitos queriam fazer crer, se sagrou campeão contra um adversário com dez vezes melhores armas. Hoje, e apenas quatro semanas de trabalho se passaram, começa a olhar-se para os jogadores do Sporting como tendo maior qualidade (e muito maior vão apresentar), e no Benfica apenas se fala na necessidade de reforços. Afinal os "Manueis" não são assim tão bons. Sem um modelo de jogo apaixonante que os protege e potencia, vai dando para perceber o que sempre referimos aqui. Até Jonas, completamente isolado do mundo, parece um jogador diferente. Na última madrugada perdeu mais vezes a bola que num ano inteiro com Jorge Jesus. Rui Vitória não é um mau treinador. Mas, talvez seja esta época a ideal para que se perceba todas as qualidades do actual treinador do Sporting. Com o que se pode observar após um mês de trabalho (Modelo e não resultados. Ausência de processos de qualidade, e não número de golos marcados e sofridos. Porque esses são e serão consequência dos processos), só o mais optimista poderá acreditar que o que foi banal ao longo dos últimos seis anos no SL Benfica continuará a acontecer (mais de cem golos por ano, centenas e centenas de minutos consecutivos sem sofrer golos, e sobretudo vencer regularmente (melhor média de vitórias nos jogos nacionais desde a década de 70) ao invés de ocasionalmente). Talvez a presente época sirva para ajudar o grande público a perceber o que é um treinador de nível mundial (cuja equipa apresenta organização de excelência em todos os momentos do jogo) e o que é apenas um bom treinador. O preocupante não são os resultados. A grande preocupação é não se perceber que organização apresenta este Benfica. Tarefa hercúlea a de Rui Vitória. Suceder a um dos melhores treinadores do futebol mundial e que virou completamente a história recente do Benfica.
"

In Lateral Esquerdo