sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Afinal quem é que são os mariquinhas?

Nos comments de um post anterior surgiu uma discussão entre os comentadores. A questão era sobre a recuperação dos futebolistas que têm mais de um jogo por semana. Para a maioria dos comentadores desportivos, paineleiros e fans do futebol em geral, algumas equipas do futebol nacional tem um grande desgaste por terem uma grande subcarga fisica devido a jogarem duas vezes por semana. Para outros isso é uma grande treta, porque em comparação com outros desportos, ou mesmo outras ligas do mesmo desporto isso não acontece.
Queremos então saber a vossa opinião. Afinal o futebol é mesmo um desporto mais exigente que os outros, sendo assim necessaria uma grande recuperação? Ou os futebolistas são uns meninos quando comparados com outros atletas? Ou será ainda que a preparação dos atletas é deficiente em portugal, não estando os altetas de clubes portugueses tão bem preparados como outros de clubes estrangeiros ou de outras modalidades?
Este post não é para dar a minha opinião, vou faze-lo também nos comments, que neste caso vai ser um espaço de discussão. Espero portanto bastante participação.

6 comentários:

Sam disse...

Bem, vou ser o primeiro a dar a opinião. Para mim a desculpa do cansaço dos jogos a meio da semana é uma treta! Geralmente os clubes nacionais tem cerca de 3 dias de recuperação quando disputam jogos a meio da semana, e isso para mim é mais q suficiente.
Digo isto por comparação com a liga inglesa, onde se joga praticamente durante todo anos de 48 em 48 horas, com climas muito mais severos, e sem que se note quebras acentuadas no rendimento dos atletas.
Para não falar noutros desportos, como o baket da NBA, em que os atletas jogam geralmente dia sim dia nao, ou mesmo em dias seguidos, sem qualquer quebra. e fazendo por vezes deslocações geograficas brutais.
Na minha opiniao o futebolista portugues é muito "primadona" e a maioria deles não faz um treino verdadeiramente eficaz.

Banna disse...

Pois aqui fica um post para muita discução, eu digo com todas as letras futebolistas portugueses, são umas MENINAS, o futebol não é dos desportos mais exigentes, em que a NBA é o exemplo mais puro disso mesmo, viagens longas, com jogos dia sim dia não, inclusive a final da NBA, é à melhor de 5 dia sim dia não...
E apenas os portugues se queixam disso, inclusive os espanhois estão a diminuir o espaçamento entre jogos... só os portugueses não podem, enfim é o que temos...
na minha opinião pessoa, o badminton é o desporto mais exigente de todos os que pratiquei...
cumps

Anónimo disse...

Pois é, isto era assunto para um mês, pelo menos.
Mas vamos aos factos do futebol profissional.
1- Melhores preparadores físicos do mundo (s não os têm não é por falta de dinheiro)
2- Melhores médicos, fisioterapeutas do mundo, e isso vê-se nas notícias sempre que um jogador se lesiona;
3- Melhores condições de treino e de competição que os desportistas podem ter, (quase sempre bons relvados, botas de futebol, etc..);
4-melhor doping - de vez em quando lá é apanhado um, mas todos sabemos que eles correm mt porque têm um "combustível" especial
5- Melhores ordenados do mundo, o que leva a deixar-mos os factores motivacionais “de fora” 

Basta pensarmos nestas 5 coisas e podermos dizer, que pelo menos os futebolistas de topo e os treinadores não deveriam justificar os maus resultados com o cansaço, ele existe, ele está lá, mas o trabalho desses senhores é esse, jogar futebol ao mais alto nível custe o que custar.
Há centenas de estudos sobre a recuperação muscular, que dizem que em 72 horas, em muitos casos, é possível ter um jogador a 100%.
Não nos podemos esquecer que falamos de profissionais que não têm desculpas para de todas as vezes que entram em campo não atingirem o rendimento que lhes é exigido, além disso são 11 jogadores e de certeza que nem tds têm as mesmas características e a mesma intensidade de jogo.
Por mim podem continuar a acreditar que os jogadores andam cansados, e até podem existir muitos culpados, mas a ciência tem vindo a deslindar o maravilhoso mundo que é o treino desportivo e tem muitas soluções para esse “misterioso” cansaço que parece ensombrar as equipas de futebol portuguesas.

RT disse...

Sobre este assunto já não tenho muito a acrescentar ao que disse nos comentários do outro post. A comparação com a NBA penso que não faz sentido.
Queria era apenas lembrar um outro factor, para alguns (Mourinho, p.e.) tão decisivo quanto o factor físico para a performance dos jogadores: o factor psicológico/motivacional.
Se um jogador estiver confiante e se tem vindo a jogar bem e a ganhar, acredito que consiga "esquecer" o eventual cansaço que sinta devido a uma grande sobrecarga de jogos e que consiga jogar bem e parecer fresco apesar destas condições.
O facto de serem as grandes equipas (as que ganham mais) as que jogam mais vezes corrobora esta ideia, penso eu.

Senator Buscetta disse...

O ser humano é uma maquina deveras curiosa…

Não tenciono com este comentário fazer-me passar por entendido na matéria, coisa que não sou, estando até a minha área de estudo muito distante disto.

O nosso corpo é uma máquina de hábitos, todos o sabemos. Um exemplo flagrante disso está relacionado com o simples adormecer e acordar, estando este intimamente ligado e coordenado pelo hábito que criamos dele e pelas actividades que temos no dia-a-dia.

E era por aqui que gostava de entrar no tema. A desculpa do pouco descanso entre jogos justifica um menor rendimento? Eu julgo que em parte, sim.

Abordando também a temática das viagens longas, especialmente aquando dos jogos internacionais. Todos sabemos que de Odemira a Lisboa, cumprindo os 120km/h permitidos por lei na auto-estrada, se demora 2h e tal. Quantas vezes, depois de uma viagem não tivemos já a sensação de cansaço? Independentemente de estarmos ou não em forma. Agora aplicando tal raciocínio a uma viagem de avião de 7 ou 8 horas, com um bocado de sorte com uma escala pelo meio, e atendendo que o avião não é um meio de transporte tão confortável quanto isso (sim, a 1ª classe na qual eles viajam atenua), mais jet lag. Acredito que tenha grande influência no rendimento dos atletas.

Agora comparando desportos. Eu acho que o género de cansaço não é comparável porque mais uma vez depende da intensidade com que se está habituado a treinar e da quantidade de horas diárias. Se compararmos o futebol, que em época regular tem treinos diários de 1h30m/2h com os praticantes de triatlo que chegam a treinar 8 e 9 horas diárias, bem como os nadadores profissionais que treinam umas 6 horas, dir-se-ia que sim, são uns tenros, que têm obrigação de recuperar muito mais facilmente do esforço. Mas aqui entramos novamente na questão da habituação, o corpo tem um ritmo de recuperação adequado ao género de prática desportiva que desenvolvemos de forma habitual (digo eu). Daí que no dia seguinte a um treino de 8 horas, após uma grande noite de sono e uma boa alimentação o atleta do triatlo tenha capacidade de desenvolver novamente o seu treino.

Fazendo então a já falada comparação com a NBA e a influência das viagens e dos muito jogos seguidos peço que vejam aqui a calendarização do ano passado duma das minhas equipas preferidas, os Boston Celtics, que ficaram em 2º na época regular e foram às meias-finais da conferência Este (a quem isto não diz nada de especial, são basicamente uma das melhores equipas, com um plantel espectacular).

http://www.nba.com/celtics/schedule/results_2008.html

Peço-vos que confiram a sequência de jogos entre 25 de Dezembro e 9 de Janeiro. Neste período a meio da temporada eles tiveram 10 (!!!) jogos tendo sido 8 deles fora, com deslocações grandes. Pois bem, destes 10, 8 resultaram em derrota para Boston, que relembro, fez uma temporada muito boa sendo uma equipa de topo. Isto é logicamente resultado do excesso de jogos, de grandes deslocações e inadequados períodos de descanso. E eles são super-máquinas, habituados a terem de recuperar em poucas horas!

Senator Buscetta disse...

Daí eu achar que é normal que também no futebol é normal haver quebras resultante das longas horas de viagem e de existirem muitos jogos de seguida. Achando que a comparação de ritmos e tempos de treino/jogo/prática desportiva não são realizáveis porque são desportos diferentes, mas a verdade é que em todos eles há quebras!

Para terminar e falando do futebol internacional, quem é que não se lembra de um período há coisa de 5 anos para atrás, no qual as equipas inglesas não chegavam às meias-finais da liga dos campeões? A justificação era comum, apesar de terem atletas de elevadíssimo nível, chegavam a Abril/Maio rebentados com os famosos jogos à Quarta que nós (pelo menos eu) tanto apreciamos da Premier League.

Não há super-homens. Para estas situações é que existe um plantel e um treinador para gerir os jogos e os jogadores. O maior cansaço resultante das viagens e com mais jogos acho que não pode ser negado, agora há quem o gira melhor ou pior. E depois também há os factores que o Rui falou, os motivacionais. Há quem diga que uma moral bem elevada supera a maior das dores físicas, não é? Eu acredito nisso.

Mas como disse o anónimo, isto era tema para um mês. Se quem está por dentro do assunto não chega a consenso quanto mais uns cabeças duras como nós. =)

Cumps