sexta-feira, 20 de agosto de 2010

A panca do canto do gregoriano

"As modas são uma coisa engraçada e não me refiro especificamente aos desfiles Victoria’s Secret. Do nada, aparecem no nosso espectro coisas que não lembram ao demo e que nos tentam impingir como sendo cool, que nos vão fazer parecer cool ou que, no limite, convivemos com pessoas que sabem o que é estar na moda e ser cool.
Se no campo da roupagem, há todo um universo profissional por detrás disto, ao longo dos tempos vamos olhando para trás e percebendo que há coisas que não são nada cool, mas que já estiveram na moda.
Deixemos os tamagochis de lado, os bonsais e mais os 30mil gadgets que aqui e ali encontrámos nas mãos de gente que julgávamos mais lúcidos. Deixemos tudo e um par de botas que possa até fazer sentido neste capítulo...

ENTÃO E A PORRA DAS ADAPTAÇÕES EM CANTO GREGORIANO?

Conheço muito pouca gente que tenha ouvido canto gregoriano a sério. Por outro lado, conheço muito mais gente que já foi ao gregório o que também não é dignificante. A verdade é que, na saga dos Enigma e dessa corja, em que um gaja com voz de cama nos debitava palavras sedutoras, com um grupo de monges a cantar ao lado da cama, houve todo um granel de gregorianos a tentar fazer uns trocos.
Associar figuras de monges a estrelas da pop já me parece difícil, até porque raparem o cabelo depois de beberem aguardente de medronho ou sairem à rua todos nus debaixo do hábito já é um ritual diário que não faz vender tablóides. Mas, adaptar Celine Dion? Gravar o Lady in Red ou o How Deep is Your Love em claustro mix? (o link leva directamente ao Inferno, cuidado)
Alguém que não passe os dias a lamber paredes me explica o encanto de ouvir os gregorianos a cantar, sem ser numa igreja e em Latim? Eles, que são crentes, não temerão a fúria do Senhor? E, se se trata de gente a imitar monges, a punição não deveria ser redobrada e incluir corte de genitais com facas ferrugentas?
E as pessoas, que compraram disto de embarda, levaram monges ao topo das tabelas e se sentavam em casa, num fim de tarde de Verão enquanto pensavam “Ah, agora vai mesmo bem é uma limonada fresca e uma faixa de Gregorian Masters a cantar Phil Collins”. Ainda são vivas? Não ganharam juízo e saltaram da varanda ao som de “It’s now or never” pelos Gregorius Supremus?
Não devia ter pensado nisto. Agora enervei-me e vou ter que ouvir Panpipe Moods para me acalmar."

Mais um texto do Bom, o Mau e o Vilão que não resisti em partilhar.

Sem comentários: