quarta-feira, 26 de maio de 2010

Futebolices

De regresso aos posts sobre futebol, que tem sido os mais habituais ultimamente aqui no chaparro. Venho-vos falar principalmente de dois assuntos, Pseudo Selecção e Inter.
Começo pelo Inter. Sou sincero e dou a mão à palmatoria. No inicio de epoca disse que Mourinho era maluco, e que tanto Milito como principalmente Thiago Motta não eram jogadores para fazer do Inter campeão europeu. Pois, enganei-me. Sobre Thiago Motta não mudei muito a minha opinião, acho que no plantel do Inter não passa de um bom suplente. Já quanto a Milito a minha opinião mudou radicalmente. Não sei se foi Mourinho, ou a responsabilidade de envergar uma camisola com outra dimensão, mas o argentino elevou o seu jogo, e é hoje um jogador de topo.
Olhando para o plantel no inicio de epoca nunca pensei que pudessem lutar pela champions, e até tive duvidas quanto as possibilidades na liga italiana mas aos poucos fui ficando rendido. O Inter é uma equipa fantastica. Pouco espetacular, mas incrivelmente disciplinada, tipicamente italiana. E merece completamente todos os titulos conquistados.
Il mago Mou que volta a estar no topo do futebol mundial pretende agora o sucesso em espanha, e eu, como madridista assumido, espero sinceramente que ele meta o Real a jogar aquilo que realmente merece.

Quanto à equipa que vai representar a FPF (não a considero selecção Portuguesa) no Mundial das Vuvuzelas a minha opinião também não é a de todos, e mais uma vez parece que estou errado.
Isto porque eu gosto de Queirós, ou melhor, acho que o cargo de Selecionador não é a mesma coisa que ser treinador de um clube de futebol. E vejo em Queirós muitas das qualidades necessarias para ser um bom seleccionador. Capacidade organizativa, Fair Play, curriculo, diplomacia, etc. Mas cada vez mais Queirós me deixa com menos argumentos para o defender. Isto porque em termos futebolisticos, embora não veja ninguem neste momento que melhor preencha o cargo, não consigo concordar com a maioria das opções de Queirós.
A convocatória é quase uma anedota, e parecem anedotas também as justificações que o seleccionador deu para as suas opções. Vamos por partes. Moutinho, Amorim e Martins tinham a meu ver lugar assegurado na viagem a Africa, em lugar por exemplo de Paulo Ferreira (um antigo odio de estimaçao), Tiago (jogador que até aprecio bastante) e Deco. Paulo Ferreira é e sempre foi um Flop. É um jogador banal e que não justifica a chamada. Ruben Amorim por seu lado, fez uma grande epoca, e a sua polivalencia poderia ser importante numa prova como esta. Para além de ser neste momento em q Bosingwa está lesionado, o melhor DD nacional. Tiago não fez uma epoca brilhante, e a sua falta de afirmação nos clubes por onde passa levanta sempre duvidas. Por outro lado Moutinho, capitão do Sporting seria a meu ver um indiscutivel neste grupo. Deco não é Portugues, so isso bastava para não ser chamado, mas a sua carreira está em queda acentuada, e já não é o grande jogador que foi. O regresso iminente ao Brasil é disso prova. Martins por outro lado, fez uma boa epoca, e merecia ser chamado.
Não concordo também com a chamada de Duda, Ricardo Costa e José Castro. Mas estes pelo menos consigo engolir. Já não me passa pela goela a chamada de Pepe. Primeiro não é portugues, segundo a chamada de um jogador que praticamente não jogou toda a epoca e que vai provavelmete jogar adaptado no meio campo é um desrespeito a todos os atletas que trabalham diariamente e que fazem boas temporadas. Critiquei Scolari por este tipo de escolha, e não posso de deixar de o fazer em Queirós.
Anedotica parece a desculpa para deixar Quim de fora, diz que é um jogador velho, independetemente do seu valor, e que preferiu apostar no futuro. Pena não ter pensado assim no caso de Deco, Duda ou Liedson por exemplo.
A exibição frente a Cabo Verde foi triste, e deixa-nos a pensar o que é que a equipa teve a fazer nos 10 dias de estagio. E deixa-nos também com a confiança em baixo para o Mundial.
Sinceramente não estou muito preocupado. Não consigo sofrer com a selecção da mesma maneira que sofro pelo Benfica, embora torça sempre pela vitoria de Portugal. Mas o que é verdade é que as derrotas não me deixam triste. Não consigo mesmo torcer por Liedson ou Bruno Alves. É mais forte que eu!

1 comentário:

RT disse...

Boas!

Quanto ao Inter:
O Mourinho é realmente de outro mundo. Acho que o que ele fez no Inter nenhum outro treinador conseguia fazer, nem Capellos, nem Lippis nem outros grandes mestres do género. Mais que um génio das tácticas e do futebol-jogado, ele é o génio do futebol-pensado, domina perfeitamente todos os aspectos do psicológicos do futebol, é esse o seu segredo. Transforma os jogadores medianos em bons, bons em excelentes, excelentes em génios. E depois ainda consegue uni-los de forma a que o todo (equipa) valha mais que a soma das partes (jogadores). Criou um novo conceito de liderança e motivação de homens que acredito que daria resultado em qualquer outra área ou profissão. Adoraria conhecer por dentro um balneário liderado por ele.

Ainda sobre o Mourinho gostei de ler este artigo, que recomendo: http://www.record.xl.pt/noticia.aspx?id=0b33da67-4eb4-4c2d-bdd6-6b0d5489cfe6&idCanal=00000124-0000-0000-0000-000000000124

Palavra ainda para a gestão "inteligente" de jogadores do Real Madrid, que deixa sair para as 2 equipas finalistas da Champions as suas grandes figuras: Robben e Sjneider. O Madrid, próximo desafio de Mourinho, vai ser diferente de todos os outros: vai estar do lado dos favoritos, dos mais mediáticos, dos maiores. Nunca ele esteve desse lado. Será que a táctica "nós contra o mundo" que ele usa para unir a sua equipa vai resultar neste ambiente, ou será que vai mudar? Estou curiosíssimo.


Quanto à seleccção...
Sinto muita pena em termos um seleccionador como o Queirós. Alguém que falha naquilo que é mais importante num treinador de jogos mata-mata: capacidade de incutir nos outros motivação e superação.
Isto para além de não ser grande "mestre das tácticas" (é mestre dos treinos, embora isso seja diferente), não saber reconhecer quando erra e de se subjugar à influência de um empresário, Jorge Mendes. Triste.
Sam, vês em Queirós qualidades como capacidade organizativa, fair play, curriculo, diplomacia, etc.. Eu também vejo, mas na minha opinião essas não são as qualidades essenciais de um seleccionador, são de um director técnico. Um seleccionador tem de ser um mestre a gerir homens, aspecto muito mais importante que as tácticas em competições curtas, sem grande tempo de preparação e muito intensas como é um mundial. E tem de saber colocar o país do seu lado, criar o 12 jogador que ajude a equipa. O Queirós nesse aspecto falha flagrantemente ao insistir na postura "de futebol percebo eu, o povão não sabe nada" e ao criar uma convocatória completamente incompreensível e que já se sabia que ia por maior parte das pessoas contra ele.
Não vi o jogo contra Cabo Verde mas o que li que aconteceu não me admira. Tal como não me vou admirar que não façamos um bom mundial (previsão: ou não chegamos a passar da fase de grupos ou somos eliminados (goleados?) pela Espanha nos 8os de final).
Mas tou como tu, não me importo demasiado, não consigo torcer por um Burro Alves, Raul seringas Meireles e cia.
Resumindo: I gotta feeling... que isto não vai correr bem.

Cumps

Rui