sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Haiti

Não tinha ainda escrito nada sobre as consequencias terriveis do sismo no Haiti. Sim, as consequencias é que foram terriveis, e não o sismo. É dessa forma que penso, sobre sismos ou outras catastrofes naturais, que tal como o nome indica, são naturais. Geralmente as catástrofes são consequencia da enorme negligencia do Homem. Ao ler o excelente blogue Pedra do Homem, encontrei um artigo sobre isto, e vi que o seu autor tem exactamente a mesma opinião que eu sobre este assunto. O artigo está tão bem escrito, que vou colar aqui as partes mais relevantes, e deixo-vos o link.
"Na realidade, e a salvo de qualquer avaliação/revisão ideológica, os sismos são fenómenos naturais.
Não são seguramente é catástrofes naturais muito menos são naturais as catástrofes que os sismos provocam. São catástrofes que, como no caso do Haiti mais uma vez ficou demonstrado, são provocadas pelas construções edificadas pelo Homem e pelas opções que os homens tomam quando se trata de decidir sobre os locais onde se pode construir, entre outros aspectos.
São essas construções que esmagam e matam os haitianos e os que lá viviam e trabalhavam, como o fizeram nos últimos anos noutros locais de Kocaeli, na Turquia em 1999, com a destruição de mais de 50% dos edificios de construção recente em betão armado e com cerca de 40 mil mortos, passando por Kobe no Japão em 1995 com 6400 mortos, peloMéxico em 1985, por Marrocos em 2004 ou por L'Aquila em 2009, podendo-se referir muitos outros casos, infelizmente."
...
"Em países com níveis de desenvolvimento milhares de vezes superior ao do Haiti, como o nosso, um sismo desta magnitude, com o epicentro perto de uma da falhas que atravessa o território continental, provocará uma severa destruição, traduzida em muitas dezenas de milhares de mortos e num brutal empobrecimento do país. Mas a probabilidade dele ocorrer é baixa dir-se-á. Pois é, no Haiti tinha ocorrido um sismo muito severo por volta de 1755..."
...
"Quando se passa o tempo a discutir a protecção civil que, no essencial, é uma paródia com a sua municipalização, abdicamos de tomar a decisão de nos protegermos. Por exemplo começando por um programa de reforço sísmico do parque escolar, como parte essencial de um programa de reconstrução das escolas. Estendendo depois essa intervenção a todos os edificios públicos particularmente os da área da saúde e indo por aí fora. E sendo implacável com as construções particulares que devem ser, na fase de licenciamento, objecto de verificação e de certificação do ponto de vista estrutual. Feito por entidades qualificadas de forma a permitir que fiquem no mercado os tecnicos mais competentes. Trabalho que não pode ser feito pelas autarquias cuja incompetência nesta matéria, e noutras, é notória."

Podem encontrar todo o artigo AQUI.

2 comentários:

Banna disse...

http://economico.sapo.pt/noticias/hugo-chavez-acusa-eua-de-provocar-sismo-no-haiti_79494.html

Dá que pensar, será verdade?

Senator Buscetta disse...

Aconselho a visita ao googlemaps da zona do Haiti.

As imagens já são captadas no pós-sismo. Mas o que gostava que reparassem é na diferença na florestação entre o Haiti e a vizinha República Dominicana (na qual o sismo teve uma influência muito menor).
No Haiti, devido à falta de recursos, as árvores são utilizadas como principal combustível ao contrário do que acontece no país vizinho. E já sem sabe, sem árvores não há raízes, sem raízes, os terrenos onde assentam as construções são menos consistentes...